sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Não Há O Que Não Haja

    A capilaridade das TVs por assinatura cresceu de forma exponencial com o acesso facilitado pelas operadoras satelitais. Já não é mais necessário estar próximo a um cabo para assinar uma distribuidora de canais chaveados, pois os pratos que captam a emissão das ondas transmitidas podem ser instalados em praticamente qualquer lugar. Some-se a isso a existência de centenas de canais que transmitem ininterruptamente e a oferta passa a ser absurda. Vivemos um tempo onde tudo pode ser argumento para um programa de televisão. Tudo? Sim tudo mesmo.

    Hj acordei com um programa em que mostravam uma dona de casa que se nega a ir ao mercado e pega 100% dos alimentos no lixo. A produção do programa contribuiu com um "chef" e a tal recicladora promoveu uma festa onde ofereceu acepipes encontrados no lixo da vizinhança, nas lixeiras de restaurantes e no lixão da cidade. Em suma: não há o que não haja!

    Daí pra se começar a encarar a vida que chamamos de "real" no formato de um "reality show" é um pulo. Porque o festival de grosserias que estamos assistindo diariamente nos telejornais é comparável às baixarias que se assiste nos BBBs da vida. Parece ficção sair do Palácio do Planalto e dar de cara com conhecidos militantes contratados, devidamente fardados pelo braço sindical do PT e depois ouvir nos noticiários o Presidente da CUT dizer com todas as letras "se preciso os 'movimentos sociais' irão às ruas de armas na mão" para defender o governo eleito por eles e que pra eles governa. 

    Pena que neste domingo não tenha paredão pra decidirmos quem será eliminado na terça-feira e perca os direitos de seguir aparecendo na TV falando bobagens. Mas tem manifestação na rua, o que é quase a mesma coisa e a gente nem precisa pagar pelo telefonema. Então, se você quer mandar alguém pro paredão, para eliminação na sequência, já sabe o que fazer neste domingo.

    Um bom fim de semana a todos

de Brasilia, Marco Poli

Nenhum comentário:

Postar um comentário